Laudo Técnico

LAUDO TÉCNICO DE INSPEÇÃO PREDIAL.

Em atendimento ao DECRETO 18.574 de 24-02-2014 – Porto Alegre/RS

“É uma avaliação isolada ou combinada das condições técnicas de uso e manutenção da edificação” – Norma IBAPE/SP 2011.”

A inspeção predial é um check-up “geral” da edificação na busca de anomalias e falhas para que sejam sanadas, evitando assim, acidentes com danos materiais, pessoais, interrupção de sistemas e a desvalorização do patrimônio.

Na inspeção predial pode-se avaliar as alterações em relação ao projeto original da edificação, para preservar as condições de estabilidade e segurança.

De acordo com a NORMA DE INSPEÇÃO PREDIAL – IBAPE/SP 2011 e norma da ABNT 5674/99, a inspeção é feita em todas as áreas comuns da edificação (hall de entrada, escadas, garagens, quadras, piscinas, casa de máquinas dos elevadores, reservatórios de água, centros de medição de energia, etc.).

Em caso de ocorrência de patologias relatadas nas unidades autônomas, estas também podem passar por inspeção, principalmente se estiverem oferecendo risco ao condomínio.

A inspeção predial pode ter três níveis.

* Nível 1: identificação e avaliação das anomalias e falhas aparentes.
A inspeção é feita visualmente em todos os sistemas construtivos, tais como, revestimentos e fachadas; esquadrias externas; alvenarias; estruturas de concreto armado; instalações elétricas; instalações hidrossanitárias; cobertura e impermeabilização; outros complementos.

* Nível 2: inspeção com o uso de aparelhos, além da análise de documentos técnicos em função da complexidade da edificação.

* Nível 3: é a inspeção predial de Nível 2, acrescida de uma auditoria técnica conjunta ou isolada, confrontando-se aspectos técnicos, usos, práticas e planos de manutenção em casos muito específicos, corrigindo e ajustando os seus procedimentos.

As inspeções prediais deverão ser realizadas apenas por engenheiros e arquitetos devidamente registrados no CREA/CAU e dentro das respectivas atribuições profissionais. Recomenda-se contratar profissionais com experiência e conhecimentos técnicos comprovados.

 

LAUDO DE ESTABILIDADE ESTRUTURAL DE MARQUISE, SACADAS E FACHADAS.

Em atendimento ao DECRETO 9425/89 – Porto Alegre/RS

O Laudo de estabilidade Estrutural tem por finalidade relatar as condições em que se encontram os elementos construtivos em questão, identificar anomalias que possam ocasionar o comprometimento da segurança e recomendar medidas de manutenção e conservação.

Quando em certa marquise ou em determinado elemento estrutural,  fora detectado visualmente sinais de patologias ou intervenções de recuperação inadequadas, a única forma de analisar a segurança deste elemento é adoção de procedimentos que produzam subsídios necessários a esta análise.

Estes subsídios referem-se á avaliação da integridade das barras de aço; avaliação da integridade e textura do concreto; avaliação de sobrecarga decorrente obras de reformas, letreiros, equipamentos e impermeabilização; avaliação da impermeabilização e a drenagem, entre outros.

 Em Porto Alegre o laudo de estabilidade estrutural de marquise, fachada e sacada é obrigatório. Seu prazo de validade é de 3 (três) anos a contar da data de recebimento pelo Setor Técnico da SMURB.

 

LAUDO DE VISTORIA.

O Laudo de Vistoria tem a finalidade de relatar patologias, falhas e o estado de conservação e manutenção dos imóveis. Pode ser utilizada extrajudicial ou judicialmente.

 

LAUDO DE VISTORIA CAUTELAR DE VIZINHANÇA.

Esta vistoria tem por objetivo relatar anomalias e condições de conservação de imóveis próximos a futuras construções, onde possam ocasionar danos a estes imóveis, se tornando peça fundamental na produção de prova antecipada, determinando os limites de responsabilidades.

 

LAUDO DE VISTORIA DE ENTREGA DE IMÓVEIS.

Este tipo de vistoria tem por objetivo analisar cautelarmente o estado dos imóveis, confrontando com o memorial descritivo e projetos, patologias aparentes e inconformidades construtivas, descrevendo os problemas constatados e correções necessárias antes do recebimento do imóvel. A vistoria pode se estender para áreas de uso comum caso o imóvel pertença a um condomínio.